Lista de email

Comprar listas de e-mail é uma boa ideia?

Uma das perguntas que mais recebo sobre negócios na web é sobre a compra de listas de e-mails.

Muitos empreendedores iniciantes acabam se deparando com ofertas de venda de listas de e-mails, geralmente em números acima de 1 milhão de endereços.

Grande parte destas pessoas acredita que comprar listas de e-mails é uma ótima ideia para conseguir clientes rapidamente. Mas será que é mesmo?

Comprar listas de e-mail NÃO é uma boa ideia

Independente do que os vendedores dessas listas digam, enviar e-mails não solicitados é crime no Brasil e em praticamente em todo o mundo civilizado.

Mas esse é apenas o aspecto mais óbvio dessa situação, vamos dar uma olhada nos outros.

Mesmo sendo e-mails legítimos, de pessoas que solicitaram informações de alguma forma, essas pessoas não solicitaram receber mensagens de você explicitamente, o que já caracteriza spam (e-mail não solicitado).

Muitos desses endereços são na verdade roubados por robôs que trafegam pela web coletando e-mails de incautos que escrevem o próprio endereço em comentários em blogs ou em outros locais na internet.

Esses e-mails são também roubados através dos famosos hoaxes, histórias falsas de crianças desaparecidas, alertas de vírus e outros conteúdos falsos que as pessoas adoram encaminhar para toda a sua lista de contatos sem usar endereçamento oculto, expondo os e-mails de todos os seus conhecidos para robôs ladrões de endereços.

Quando é o caso do dono do e-mail ter solicitado o recebimento de algo, geralmente é uma armadilha. Um site falso ou simplesmente de baixa qualidade que oferece alguma coisa, informação ou o que seja em troca do endereço e-mail.

Mais uma vez, pode até ter sido o caso da pessoa ter preenchido seu e-mail em algum lugar solicitando alguma informação, mas não foi no seu site e não foi informação vinda de você.

Você pode se perguntar “mas qual o problema?”

O problema do spam

Em todos os provedores de e-mail atualmente, temos aquele botãozinho “isso é spam” ou “marcar como lixo eletrônico“, dentre outras variações.

As pessoas clicam nesses famigerados botões sem muita discrição e sem pensar duas vezes. Elas denunciam spam até mesmo quando solicitaram o recebimento de mensagens. Isso ocorre com os melhores sites.

Se você envia um e-mail que não é identificado ou esperado, a quantidade de pessoas que clicarão no tal botão será volumosa o suficiente para que os provedores passem a bloquear seu e-mail e também a classificar numa lista negra qualquer endereço de site mencionado na mensagem marcada como spam.

Você mal começou a divulgar seu site e ele já foi parar em algumas listas negras. Mal começo!

Os provedores compartilham essas listas entre si e o Gmail por ser parte do Google ajuda esse mecanismo de busca a filtrar fora do índice de busca do Google sites associados com lixo eletrônico.

Lá se vai seu site para fora do índice do Google! O mesmo ocorre com o Yahoo e Bing.

Mas esse ainda é um problema pequeno. Um espertinho pode pensar: vou usar então um e-mail descartável e um endereço de site também descartável.

O problema da infraestrutura

O problema é como você vai enviar sua mensagem para 1 milhão de pessoas. Enviar mensagens mesmo para uma lista minúscula de 1000 pessoas já é um desafio grande nos dias de hoje.

Se você pensou que pode fazer isso do computador de sua casa, se prepare para ter sua conta de internet fechada.

É impossível enviar essa quantidade de e-mail através de softwares domésticos como o Outlook.

Somente softwares especiais de envio de e-mails em massa conseguem enviar mensagens para grandes volumes de endereços e esses softwares não podem estar instalados em seu próprio computador, pois há um limite de envio de mensagens por hora do outro lado da sua conta de internet, em seu provedor.

É impossível manipular esse limite já que essa é uma providência anti-spam para evitar o uso caseiro de softwares de e-mails em massa.

Ao tentar enviar muitos e-mails ao mesmo tempo, a companhia que oferece internet para sua casa ou escritório pensaria que você está enviando spam e fecharia sua conta.

Não há como argumentar com esse pessoal, pois eles não entendem absolutamente nada de marketing online. Para eles envio de mensagens em grande volume é spam e ponto final.

Outro problema ao usar softwares caseiros são os bloqueios anti-spam do lado de quem recebe. Gmail, Hotmail, Yahoo e os softwares domésticos de administração de e-mails possuem mecanismos para identificar o destinatário.

É tecnicamente fácil saber se a mensagem recebida foi enviado através de um software caseiro de e-mails em massa. Neste caso, a mensagem vai direto para a pasta de spam.

A melhor solução

A única forma possível de trabalhar com uma quantidade grande de e-mails é lidar com empresas cujo serviço é administração de listas de e-mails e envio profissional de mensagens ou instalar softwares de envio de e-mails em massa em servidores dedicados e apropriadamente configurados para tal tarefa.

Alguns exemplos são a Get Response, Aweber e a Sendinblue.

Essas empresas obviamente não aceitam que você carregue listas de e-mails cuja procedência é duvidosa.

Além disso, mesmo a procedência sendo confiável, todo o cuidado é pouco quando se tenta evitar o spam e escapar de severas punições.

No caso de importação de uma lista de e-mails grande para a Aweber, por exemplo, todos os endereços recebem automaticamente um pedido de confirmação perguntando se realmente solicitaram o recebimento de informações de seu site.

Essas empresas tem baixa tolerância contra o spam. Se mais de 1% de seus assinantes clicarem no botão “isso é spam” ou similar em suas contas de e-mail, sua conta entra em quarentena. Se o episódio se repetir, sua conta é fechada.

A única forma plausível de obter e-mails de possíveis clientes é ter uma chamada em seu próprio site que pede para o visitante se cadastrar, seja para obter mais informações, fazer um curso gratuito ou o que quer que você esteja disposto a oferecer em troca do e-mail do visitante.

Os dados do visitante então, geralmente nome e e-mail, são processados automaticamente por um sistema capaz de armazenar esses endereços e enviar mensagens programadas.

Enviar e-mails individualmente para cada um que entra em seu site seria humanamente impossível.

Você faz isso, como eu expliquei, através de uma conta em uma dessas empresas de administração de e-mails como a Aweber ou através de um software instalado em seu próprio site (o que requer conhecimento técnico e servidor dedicado).

Você pode programar uma sequência de e-mails que seus assinantes receberão ou pode enviar e-mails avisando sobre novos artigos a cada vez que publicar algo novo em seu site, se for o caso.

A grande questão é manter contato constante com seus leitores. Se seus assinantes não receberem e-mails seus por longos períodos de tempo, eles esquecerão quem você é e clicarão no botão de spam quando finalmente receberem um e-mail novamente.

Quando você tiver um produto pronto para ser comercializado, é muito mais fácil vender para esses assinantes que já te conhecem e confiam em seu site e empresa.

É uma situação muito diferente e muito mais positiva do que comprar listas de e-mail e enviar trocentas mensagens para gente que nunca ouviu falar em você.

Deixe um comentário